Conto 24 - a Caçadora

segunda-feira, 30 de julho de 2012


Estava devendo vocês, né? Desculpem! Eu tenho a tendência de fazer inúmeros projetos de uma vez e fico perdida neles...Então, este é um conto especial para a bienal (Anny, calma que vou fazer o que você me pediu! rs)! Afinal preparei uma surpresa pra bienal que tem a ver com este conto e que você entenderão em breve! =p  (não é nada demais, é só em brinde especial)

Espero que gostem! Se quiserem podem baixar o conto também, lá no final! ^^



Conto Jessi e Zack 24 do livro “A caçadora”
autora: Vivianne Fair

A noite estava até silenciosa demais. Quer dizer, já eram o quê? 18:05 da tarde? Cadê Zack que não veio me atormentar? Será que está doente?
Certo, vampiros não ficam doentes. Só fracos e ele, com certeza, não está fraco porque ontem mesmo fizemos uma aposta imbecil, eu perdi e tive que deixar ele tomar uns dois litros de sangue de mim.
Bem, não vou dizer que perdi sem querer. Digamos que tudo contribuiu para que eu perdesse.
Meus hormônios, por exemplo. E muito.
De qualquer forma, cadê Zack que não...
Um som agudo na janela me fez calar instantaneamente. Algo parara no parapeito da janela.
Eu tenho medo desse bicho. Bem, não é como aranhas, que simplesmente tenho horror; nesse caso é mais...saircorrendogritandoefazendoescândalo. Aranhas é travandonolugarsemsemexer.
Virei-me devagar e fitei a coruja com aqueles olhos arregalados totalmente fixados em mim. Engoli em seco. Christie, a gatinha preta que Zack me deu, se arrepiou toda e proferiu uma ameaça para ela na sua língua gatonesa e eriçou todos os pelos do corpo.
Eu também eriçei todos os pelos do meu corpo, mas além de ser totalmente não intencional, não era nenhuma ameaça no meu caso. Era por me sentir totalmente ameaçada.
Agora você vê, isso é que dá ser uma pessoa antiga, digo, vivida. A nossa família antigamente vivia colocando medo na gente, né? Coisas tipo: não deixa chinelo virado que a mãe morre, se deixar bolsa no chão perde dinheiro, se varrer os pés não casa.
Estou citando os três que mais me davam medo.
Então me veio na lembrança aquela fala: Se você encarar a coruja ela ataca seus olhos.
E agora? É superstição? E é verdade que mariposa joga mesmo pozinho que cega a gente?
Até hoje a única coisa que sei é que manga com leite não mata. Arrisquei uma vez e amei. E eu sou super corajosa, afinal já tomei Coca Diet com Mentos. Tive uma dor de barriga daquelas, mas o que conta é a coragem, certo?
Enfim, a coruja nem ligou para a Christie, que nessa hora já estava escondida embaixo da cama miando por socorro. Era só eu e a ave noturna.
Respirei fundo e tomei coragem. Cruzei os braços e encarei a invasora.
Por dois...três...
Quatro segundos. Depois disso, ela gritou e voou ao meu encontro berrando o grito de guerra das corujas, e gritei ainda mais alto meu grito de medo por tudo o que berra.
Saí disparado pela porta e corri alucinada pelo corredor, empurrando todos os que se aproximavam contra a parede. O que mais me enlouquecia era que a bicha me seguia! O que raios havia com essa ave? Olha quanta gente inocente para atacar ao redor!
Desculpe estar sendo meio egoísta, mas aposto que essa gente não tem o mínimo do pavor que eu tenho por esses animais da noite. Se ainda fosse morcego...
Espera...eles transmitem raiva, não é? Bem, não é nenhuma superstição, então tenho menos medo.  
E cadê Zack que não aparece? Meu príncipe de armadura...
Há, sei. O que ele iria fazer era ou apontar para minha cara e cair na risada ou correr atrás de mim junto com a coruja.
Bem, de qualquer forma ele é tudo o que posso pensar no momento.
Na verdade, é nele em quem eu penso em cada minuto do meu dia, seja para o bem ou para o mal.
Corri feito louca pela universidade com a coruja no meu encalço. Aquilo era estranho; como ela podia saber quem eu era no meio daquele monte de pessoas? E por que eu?
É isso. Devo exalar o cheiro do medo. É por isso que vampiros, lobisomens, corujas, baratas, morcegos, cães ferozes, todos me perseguem.
Deus, devo feder muito.
Entrei no laboratório da universidade e fechei a porta, respirando fundo. Pense, Jessi, pense. Como se livrar de uma coruja maluca?
Depois disso, Jéssica, descubra como se livrar de um diretor maluco, um porteiro maluco, fãs de Zack malucas...
Não precisa tirar uma com a minha cara, cérebro.
Sentei no chão. Excesso de exercício mata? Espero que não.
Depois de arfar por alguns instantes, ergui a cabeça.
A coruja estava em cima da mesa à minha frente me fitando fixamente.
Ah, a janela do laboratório. Claro, as maiores janelas da universidade estão lá na parede e a esperta aqui nem pra pensar nisso. Bom, eu me rendo.
Tampei meus olhos com as mãos e olhei pela frestinha. O fato de me render não quer dizer que vou sair ferida de mão beijada.
Foi aí que percebi que a coruja tinha um papelzinho amarrado na pata esquerda, do tipo que se coloca em pombos correios.
Mas que imbecil faria uma coisa dessas?
A resposta veio à minha mente na mesma hora em que pensei na pergunta.
Resmunguei e levantei meio ressabiada. Gostaria que Zack parasse com esse tipo de brincadeira porque sério...uma hora ele me mata do coração pra alegria do Eric.
A coruja ainda ficava paradona lá, na dela. Ficava resmungando na língua das aves algo indecifrável, mas parecia que também estava cansada de ficar me perseguindo. Com as mãos tremendo fui me aproximando, tentando alcançar a pata e ao mesmo tempo pronta para arranhar a ave se ela voasse na minha cara.
Toquei o papel e meu coração disparou. Puxei lentamente... lentamente... lentamente...
Tirei!
Por favor, batam palmas pra mim! Em algum lugar no mundo alguém tem que bater palmas pra mim! Não sou fadinha, não sou a Sininho, não vou morrer se não fizerem isso, mas eu mereço! Afinal, eu consegui superar meu medo. Isso deveria ser uma fonte de inspiração para todas as pessoas do mundo porque no fim das contas eu...
Aah, sim. A mensagem.
Hesitante, abri o papel devagar, esperando encontrar algo horrendo. Afinal, estava amarrado em algo que me dá um medo horrendo.
No papel estava escrito...

Uh! Uh! Uh!
Zack

Sabe qual o meu problema? É ainda levar esse vampiro desmiolado a sério! Peguei meu celular e disquei. Ele não atendeu. Estranho, normalmente ele atende e ainda grita ‘há-há’ no maior estilo Simpsons.
Percebi que já tinha perdido um pouco o medo da coruja, já que estava apontando para a mensagem e resmungando.
– Você aí, ô da garra afiada. Sabe o que essa mensagem imbecil quer dizer? Afinal, é ‘corujês’. Zack está em perigo ou coisa assim? Ou é só sarro mesmo?
Ela me fitou novamente e resmungou.
– Uh!
Estou bem arranjada. Limpei a sujeira da roupa e quando alcancei a porta, tomei um novo susto. A coruja estava subitamente íntima de mim, se achando a BFF (Best Friend Forever) quando pousou em meu ombro. Segurei um gritinho quando senti as garras sendo fincadas em minha pele.
Força, Jessi. Seus olhos continuam intactos.
Quando saí novamente percebi que muitos olhos não perfurados estavam virados na minha direção. Claro, afinal de contas uma louca de cabelos vermelhos saiu disparada gritando pelo corredor, empurrando as pessoas contra a parede e sendo seguida por uma coruja saída do inferno. Nada demais.
Linda, a líder de torcida loiríssima, veio ressabiada em minha direção.
– Tipo assim, isso aí é uma coruja?
Não, é um espanador com olhos arregalados.
Ataca ela, espanador! Ataca!
Jessi, chega. Você é superior.
– É uma coruja, sim.   
– O diretor não vai gostar disso, tá?
– Nem eu gosto.
O diretor Anderson foi outro que brotou no meio do nada e veio na minha direção, provavelmente atraído pelo barulho. Diretores sempre são atraídos pelo barulho.
– Senhorita Jéssica...isso aí é uma coruja?
Meu Deus, não tem aulas de biologia nessa universidade?
– SIM, SENHOR, É UMA CORUJA. Cuidado que ela bica.
Pelo menos, nessa hora, queria que bicasse.
– Senhorita Jéssica, sabe que não admitimos animais na universidade...
Acho que eu deveria dizer que tem uma gata preta no meu quarto, mas agora já me afeiçoei a ela.
– O senhor tem uma espingarda?
Ele hesitou por uns instantes. Depois corrigiu a postura.
– Bem, bem, não precisa se livrar assim da pobre ave. Podemos chamar o controle de animais ou...
– Tá, tá, deixa que eu dou um jeito nela, seu diretor. Papai embaixador que mandou, você sabe.
Pronto. Agora ele sossega.
Saí pelo corredor ainda sentindo os olhares pelas minhas costas e tenho certeza que ouvi um “Viu, eu disse que era uma bruxa! Só assim para conseguir conquistar o Zack.”   
É, mas eu fosse bruxa, teria poderes...certo, deixa pra lá. Por mais ridículos que sejam, continuam sendo poderes.
Alcancei o jardim ainda com a coruja empoleirada no meu ombro, tentando dizer a mim mesma que ela não podia bicar meu olhos já que está virada para o outro lado.
Espera, as corujas não podem virar a cabeça 180 graus? Ai, meu Deus...
Alcancei o prédio de Zack. Alguma coisa muito errada devia estar acontecendo para ele não me sacanear assim que li a mensagem. Talvez com essa mania de fazer piadinhas ele acabou caindo em algo sério.
Conta uma novidade agora, né? E lá vou eu para o buraco junto com ele. Pfff.
Subi as escadas um pouco temerosa. Sempre que chego ali sou surpreendida com algum vampiro de plantão. Quanta gente quer acabar com Zack, fala sério.
Digo isso no sentido bom e no sentido mau.
Quando estava passando pelo segundo andar, senti uma presença vampiresca desconhecida ao mesmo tempo em que a coruja BFF sacudiu as asas. Ela também sentiu ou sua intenção era apenas me matar do coração?
Subitamente ela emitiu o grito de guerra das corujas e eu gritei e me joguei no chão. Senti um vento passando rápido pelo meu cabelo e ouvi um baque surdo. Um vampiro havia se jogado sobre mim e, quando me joguei no chão, ele acabou se estatelando na parede.
Ponto pra mim apesar disso ter sido totalmente sem querer!
Ele rosnou e se voltou na minha direção.
Epa! Acertei na cagada, mas isso não quer dizer que consiga novamente.
Quando ele girou o corpo e eu cobri meu rosto – parece que essa se tornou minha mais nova maneira de me defender – ouvi novos gritos e abri uma frestinha na mão. A coruja havia voado no rosto dele e atacado – acredite se quiser – seus olhos! Bati palmas enquanto o vampiro rosnava para ela e tentava afastá-la debatendo-se.
Achei que estava segura, mas lembrei que corujas não tem garras bentas e nem feitas de madeira. O que quer que a minha nova BFF faça, ele ia se recompor rapidinho. Comecei a subir as escadas que faltavam gritando o nome de Zack. Ele devia estar em apuros, afinal, talvez aquela mensagem realmente quisesse dizer alguma coisa em código cifrado e e não pude entender. Zack fala dezenas de línguas diferentes – algumas inclusive mortas como ele – e talvez corujês seja uma que...
Senti dedos frios no meu pescoço e não consegui mais gritar. Estava frita, assada, cozida na manteiga. O vampiro havia me alcançado e pude sentir sua fúria em forma de hálito mortal na minha orelha.
Fim da linha pra mim.
Gemi alto e soltei um gritinho, a única coisa que consegui pronunciar.
– Uh!
Fechei os olhos, mas nada aconteceu nem mesmo depois de alguns segundos. Um vento ainda mais rápido que o anterior passou pelos meus cabelos.
Arrisquei uma olhada.
Zack fora tão rápido no salvamento que agora finalizava o vampiro, cujo corpo sumiu em cinzas no chão.
– Jessi! Ah, meu Deus, Jessi, você está bem? Por que não me disse que estava em apuros?
– Eu gritei o tempo todo!
– É, mas com seus gritos já estou acostumado. Eles nem me convencem mais.
– Ora, seu...
– Aah, você conheceu o Severus! – ele estendeu o braço e a coruja subitamente levantou voo e parou devagar em seu braço.
– Severus? De Severus Snape?
– Pelo visto ele entregou a mensagem direitinho! Bom menino!
– Como sabe que é ‘menino’?
– Porque ele parece menino. Então agora é menino.
– Grande explicação.
– E olha pra cara dele. Ele parece severo, né? Até parece que está julgando alguém.
– Zack, é uma coruja. Elas sempre parecem que estão julgando alguém.
– Bom, agora é meu bichinho. Quer dizer, eu não teria morcegos. Eles parecem ratos.
– Corujas comem ratos.
– De qualquer forma ele merece um biscoito! Corujas comem biscoito?
– Não, acabei de dizer que elas comem ratos ou...ei, espere aí! Que raios de mensagem foi aquela, afinal?
– Ah, a mensagem? Pensei que soubesse, afinal, você veio, né?
– Eu vim porque te liguei no celular e você não respondeu!
– Eu queria que você decifrasse a mensagem antes de responder.
– Que mensagem?? Uh Uh Uh parece uma vaia!
– Tadinho de você, Severus, ter que aturar os gritos da Jessi. Vai ganhar dois ratinhos!
– O QUE ESTAVA ESCRITO LÁ?
– Tudo bem, relaxe, Jessi. Vem cá... – ele estendeu o braço e acariciou meus ombros – o que estava escrito na mensagem...
– Sim?
– ... era uh uh uh.
– Zack... me dê um motivozinho para não te matar agora.
– Severus ia furar seus olhos.
– M...mentira.
– Quer arriscar?
– Não.
– Então entra aqui, Jessi. Vamos tomar um chazinho – você, pelo menos – no meu quarto e esquecer essa bobagem toda. Você deve estar apavorada...
– Só entro aí quando você me dizer o que significava aquela mensagem.
– Bem, te dou duas alternativas. Eu te digo o que era e você não entra mais no meu quarto ou não te digo e a gente troca uns beijinhos aqui dentro.
Respirei fundo.
Quem se importa com a curiosidade afinal?
Afinal, ela matou o gato.
Curiosidade malvada.


Vivianne Fair





Aqui para quem quiser ler os outros contos! =) - clique em 'baixar agora'
Pra quem quiser acompanhar os outros: 
conto 14 ( o natal de Zack)
conto 21
conto 22



Beijokas! =) 
Comentários no Facebook
27 Comentários no Blogger

27 comentários:

  1. ashauahasu mto bom...
    quem liga pra curiosidade qdo se pode 'TROCAR UNS BEIJINHOS' kkkk

    ResponderExcluir
  2. eu nao me importo com a curiosidade se jack me beijar rsrsrsrs mas como seu que a jessi ou a coruja, ou as lideres de torcida, quer saber? OU O MUNDO ia arrancar meus olhos eu fiquei curiosa. so o meu vampirinho mesmo, da ate peninha da jessi, mas eu rolo de rir mesmo assim rsrsr *-*

    ResponderExcluir
  3. quer saber mais? desconsidera a mensagem acima, se for para beijar o zack quem precisa de olhos mesmo ou curiosidade? rsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Eu gostei, mas na boa, to boiando aqui. Hehe (:

    Beijos,
    Mandi - Book and Cupcake.

    ResponderExcluir
  5. hahaha, que bom que gostaram! XD Eita, como assim, Amanda? haha! Não entendeu que Zack arrumou uma coruja de estimação? XD

    ResponderExcluir
  6. Ótimo conto Vivi, mais uma vez...meus pais estranharam de eu estar rindo sozinha...kkkkk' (deviam estar acostumados XD)
    Falando na Bienal...to querendo muito ir! Estou usando meus super ultra poderes de filha boazinha para tentar convencê-los hehehe Espero que dê certo!

    ResponderExcluir
  7. Hahauhaua, fico contente! =3 Aah, tomara que possa!! Seja boazinha mesmo!Diga que é para seu crescimento cultural..hehe (e é)

    ResponderExcluir
  8. Zack Potter? lol

    hahaha adorei!

    Quando vi a coruja lembrei do Ioio dos Livros da Magia... Corujas não furam os olhos, elas arrancam mesmo lol

    Olha, a curiosidade que me perdoe mas eu com certeza absoluta eu ficava com o Zack, ou se não depois da resposta eu me jogava da janela lol

    Agora tenho um assunto importante a resolver com minhas borboletas do mal /parey

    Nossa... 24 contos... o memso numero de tirinhas... daqui a pouco dá pra fazer um livro com os contos!!! 8D

    hahaha

    Beijos!

    ~-Lyoko

    ResponderExcluir
  9. Hahahahahahahahahahaah
    morri de rir
    coitada da jessi, né?
    mas no final ela ganhou uma recompensa por ter que correr tanto, kkkkkk
    hahaaha
    bjs!!!!!

    ResponderExcluir
  10. Hahahahhahaha,
    Vivi, você está se superando a cada dia, ou melhor, a cada conto!! hahaha
    Uh uh uh para você também!
    Beijos
    Camis - Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  11. Ly: Nem fala, Ly! Tenho medo igualzinho a Jessi! Sou apavorada com coruja e elas vivem atacando meu cachorro! haha! Vixe, dá mesmo! rsrsrs

    Ana: Não é?? Tudo compensa! hahaha! Beijoos!

    Camis: Hehehe, que bom! Fico contente! =3 Uh uh uh, Camis! o/

    ResponderExcluir
  12. kkkkkkk Ri alto aki! O que não foi uma boa coisa, já que estou no meu ambiente de trabalho! ^_^" kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Quem liga pra curiosidade!?! BEIJINHOS, BEIJINHOS, BEIJINHOS³
    Certo, me conformo, os beijinhos são pra Jessi, fazer o que né? T_T
    Só me resta a curiosidade!!!
    O que é???? rsrs
    Bjusss

    ResponderExcluir
  13. hauhauahaua, coisa feia ler no trabalhooo! XDD Pois é! Sabe que também não sei??? hehe

    ResponderExcluir
  14. Elas atacam seu cachorro? lol

    Nunca vi uma coruja, acho tão fofa! Embora sempre fique com um pé atrás

    ResponderExcluir
  15. kkkkkkkkk
    Rolei de rir agora.
    Caramba, acredita que uma vez aconteceu de uma coruja entrar aqui em casa? Foi parecido com o conto, só que foi na janela do quarto de mainha, na hora ela tava sozinha mas em vez de gritar e sair correndo como a Jessi, ela ficou travada sem conseguir falar ou se mexer, heheheh. Por sorte a coruja só ficou olhando pra mainha e depois foi embora. Uma pena que foi de madrugada e eu estava dormindo, pq adoro corujas e amo aqueles olhinhos esbugalhados delas. Mainha morre de medo daqueles olhos enormes até hoje.

    Adorei o conto Vivi!
    Beijos!

    PS.: pra quem não tá acostumado com "pernambuquês", mainha é modo carinhoso se chamar a mãe. heheh

    ResponderExcluir
  16. Ly: Elas são terríveis mesmo! Lançam grito de guerra e caem em cima com garras afiadas! O.o

    Aninha: hahaha, estou acostumada com mainha porque morei em Salvador! XD Mas eu não sei o que teria feito...provavelmente a mesma coisa que sua mãe, haha!! XD Obrigadaa! ;D

    ResponderExcluir
  17. A Jessi sua espertinha,adorei o nome da coruja Severos e a gata cristiene.

    ResponderExcluir
  18. Vivii vc nao perde o jeito mesmo né? Tava a toa no aeroporto, vôo atrasado então resolvo dar uma futricadinha aqui, como sempre e vejo um conto novo! Não pude esperar nem mais um minutinho pra ler e li lá mesmo. Sério, acho que nunca teve tanta gente me encarando como se eu fosse louca num lugar só como hoje! rs Gargalhar olhando pro celular não deve ser muito normal, mas a culpa é sua! Queria taaanto descobrir pq isso é uma surpresinha pra bienal! Ainda não acredito que por um dia não vou conhecer vc! Se der pra ir dia 17, me avisa por e-mail ta? Beijo Pri Cavallaro

    ResponderExcluir
  19. Jay: hahaha, que bom, Jay! =D

    Pri: Aaah, que alegria fazer as pessoas pagarem mico no aeroporto! =D heuehuee To super feliz com isso, de verdade! Aaah, é pena mesmo, mas vou ver se consigo ir dia 17! Tudo depende da passagem! =/ Obrigada, querida! Boa viagem! rsrs

    ResponderExcluir
  20. Malditos hormônios ¬¬’
    Eu bato palmas pra vc Jessi! (só para manter a amizade XD)
    Acertei na cagada foi ótimo ashuahsuahsuasa

    Com certeza Severus Snape é um dos meus personagens preferidos da serie :D
    Curiosidade e uma coisa feia às vezes, ainda bem que a Jessi tem consciência disso e optou pela melhor alternativa \o/
    Amei muito esse conto. Já estava com saudades desses dois. Como rir!

    Chefa, eu emprestei o meu primeiro livro dA Caçadora para minha amiga de blog e ela amou loucamente. Te arranjei outra fã \o/

    Bjão!

    ResponderExcluir
  21. Hahaha, Jessi só se estrepa, tadinha! XD Não é? Ela sabe o que é melhor! Aaah, que bom que gostou! Sempre tenho medo de estar perdendo a mão...hehe Aaah, que coisa boa! Chama ela pra ler os contos também! ^^

    ResponderExcluir
  22. kkkk!!!Rachei!!To louca pra ler os seus livros!Queria te fazer uma pergunta:Você aceita ser autora parceira do meu blog?Entre em contato comigo para nos falarmos melhor:http://gaarota-teimosa.blogspot.com.br/p/contato.html ou bcarvalhodouto@yahoo.com

    Aguardando ansiosa pela resposta!

    ResponderExcluir
  23. Muito obrigada, Bia! =) Não sei bem o que é isso, então vamos ver, ok? Beijos!

    ResponderExcluir
  24. kkkkkkkkkkkkk, ela não resiste mesmo né. Ah mais eu tinha voado em cima dele, e ai da coruja U.U. sqn
    Ainda me pergunto como vc consegue ser tao engraçada.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.